20/01
CME
BM&F

Soja
10,70 (20/01)
n.d.

Milho
3,66 (20/01)
34,50 (20/01)

Milho


Zoneamento Agroclimático

 

Apesar de não influir no custo de produção, a semeadura de uma lavoura de milho na época adequada e sob condições ambientais favoráveis afeta a rentabilidade em função do desempenho superior da cultura. Por isto é importante conhecer os fatores de riscos, que tendem a ser minimizados quanto mais eficiente for o planejamento das atividades relacionadas à produção. O agricultor tem que estar consciente de que a chance de ter sucesso deve-se a seu planejamento, e que este depende de vários elementos, dentre eles os riscos climáticos a que está sujeito.

 

Época de semeadura do milho

A produtividade da cultura do milho varia em função de uma série de fatores bióticos e abióticos que estão interagindo, em relações onde as plantas tentam se adaptar as condições ambientais predominantes. Desta forma, a expressão do potencial produtivo da cultura depende da interação do genótipo das plantas com as condições do ambiente. Sabe-se que a interação genótipo e ambiente está associada a relações simples, relacionadas com a diferença de desempenho dos genótipos no ambiente, e complexas quando não há correlação entre os desempenhos dos genótipo no ambiente.

Daí a importância de conhecer a época de plantio analisando todo o ciclo da cultura, procurando prever as condições ambientais em todas as suas fases fenológicas. Porém, a grande dificuldade que se encontra no planejamento é com respeito às variações ambientais não previsíveis. Essas variações imprevisíveis correspondem aos fatores ambientais altamente variáveis como precipitação, temperatura, vento, etc. Além disto, é difícil de ser estabelecido a melhor época de plantio quando não se tem conhecimento prévio das características do material a ser semeado e das possíveis respostas do mesmo as condições ambientais prevalecentes em uma região.

Portanto, a época de semeadura refere-se ao período em que a cultura tem maior probabilidade de desenvolver-se em condições edafoclimáticas favoráveis. Com isto, o uso de cultivares adequadas as condições edafoclimáticas e a semeadura dentro do período previsto para a cultura na região tende a ser o melhor caminho.

 

Riscos climáticos para a cultura do milho

No Brasil, os riscos climáticos inerentes à cultura do milho, embora o cultivo do milho seja feito em diversas condições de clima, relacionam-se basicamente às limitações térmicas e hídricas e à distribuição espacial e temporal da precipitação pluvial, considerando regiões e épocas de cultivo. Para alguns estados, como os da região sul, existe o risco climático da possibilidade de ocorrências de geadas tardias (agosto –setembro - outubro) associado ao risco de déficit hídrico e má distribuição de precipitações, enquanto que, para estados como os da região centro-oeste, os maiores riscos estão associados com a irregularidade das precipitações e elevada evapotranspiração, em função das elevadas temperaturas diurnas e noturnas.

 

Zoneamento agroclimático para o milho – época de semeadura X riscos climáticos

Visando definir os melhores períodos para a semeadura do milho, foram elaborados pelas Comissões Regionais de Pesquisa em Milho e Sorgo e publicados pelo Ministério da Agricultura modelos de zoneamento prevendo os riscos climáticos para cada um dos estados envolvidos na produção de milho no pais. Nestes são relacionadas os principais fatores de risco (temperatura, disponibilidade hídrica e distribuição espacial e temporal da precipitação pluvial) associado às classes de solo, definindo as épocas ideais para o plantio.

A definição dos melhores períodos para a semeadura do milho leva em conta modelos de balanço hídrico para períodos de dez dias, desconsiderando outros fatores limitantes, como fertilidade do solo e ocorrência de pragas e doenças.

Os zoneamentos agroclimáticos para a cultura do milho para os estados brasileiros estão descritos como segue:

NORTE  NORDESTE CENTRO-OESTE   SUDESTE  SUL
Acre  Alagoas Distrito Federal   Espírito Santo  Rio Grande do Sul
Pará              Bahia                           Distrito Federal 2º    São Paulo  Santa Catarina
Rondônia  Ceará Goiás   São Paulo 2º  Paraná
Rondônia 2º  Maranhão Goiás 2º   Minas Gerais  Paraná 2º
Tocantins  Paraíba Mato Grosso   Minas Gerais 2º  
   Pernambuco Mato Grosso 2º   Rio de Janeiro  
   Piauí Mato Grosso do Sul     Rio de Janeiro 2º  
   Rio Grande do  Norte Mato Grosso do Sul 2º     
   Sergipe      

 

Consórcio Milho/Braquiária

CENTRO-OESTE SUDESTE  
Distrito Federal               São Paulo  
Goiás Minas Gerais  
Mato Grosso    
Mato Grosso do Sul

 

 

 

José Luis da Silva Nunes

Engenheiro Agrônomo, Dr. em Fitotecnia


Colunistas | Eventos  | Cadastre-se  | Agrotempo  | Feiras e Fotos  | Vídeos
Ip: 174.129.120.155 Cod: -1 Est: -1 Cid: -1

 
Fale Conosco
Em que podemos ajudá-lo?