Ferrugem

(Puccinia sorghi)

Culturas Afetadas: Milho

No Brasil a doença tem ampla distribuição com severidade moderada, tendo maior severidade nos estados da região Sul. Das três ferrugens que ocorrem no milho, a ferrugem comum é a menos severa, provavelmente por ser uma doença antiga e bastante disseminada no país, fato que possibilitou, nos programas de melhoramento genético, seleção adequada para resistência.

Danos: A doença caracteriza-se pela presença de pústulas elípticas e alongadas, em ambas faces da folha, com produção de uredósporos de coloração marrom-canela. Com o passar do tempo, as pústulas tornam-se mais escuras, em conseqüência do desenvolvimento de teliósporos. Com o acúmulo de lesões, é comum observar, nas folhas, faixas transversais, que correspondem à posição do cartucho no momento da infecção. Clorose e morte das folhas podem ocorrer em condições de severidade elevada.

Temperaturas baixas (16 a 18ºC) e alta umidade relativa (100%) favorecem o desenvolvimento da doença. O patógeno possui como hospedeiros intermediários, espécies de trevo, do gênero Oxalis, nas quais desenvolve esporos, que servem de inóculo para a cultura do milho.

Controle: As medidas de controle recomendadas são o uso de cultivares resistentes e o plantio em épocas desfavoráveis ao desenvolvimento da doença. Dado o grande número de raças fisiológicas, o uso de cultivares com resistência poligênica é mais seguro. O plantio de cultivares suscetíveis em ambientes com temperatura amena, como nos meses de agosto e setembro, na Região Sul, não é recomendado. A aplicação de fungicidas para tratamento da cultura deve ser realizada conforme orientação técnica.

Deslize o dedo na tabela abaixo para movê-la horizontalmente
Mostrando 1 até 12 de 20