21/02
CME
BM&F

Soja
10,26 (21/02)
n.d.

Milho
3,69 (21/02)
34,24 (21/02)

Saúde Animal


A experiência brasileira na erradicação da febre aftosa e o emprego do sistema I-ELISA 3ABC/EITB para certificação sanitária de bovinos e bubalinos

Visitas: 4891

A experiência brasileira na erradicação da febre aftosa e o emprego do sistema I-ELISA 3ABC/EITB para certificação sanitária de bovinos e bubalinos
14/12/16 - 09:22 

A vacinação contra febre aftosa é ferramenta eficaz para erradicação e prevenção da doença, contudo, a presença de proteínas não capsidais (PNC) na vacina, produzidas durante a multiplicação viral, tem sido o principal problema, visto que sua presença dificulta as ações de vigilância, cuja busca se baseia na detecção de anticorpos contra essas proteínas para diferenciar animal vacinado de infectado. Por esse motivo, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou em 2008 a Instrução Normativa nº 50 (IN 50), que incluiu no controle da qualidade da vacina a pesquisa de anticorpos contra as PNC, para avaliar a retirada dessas proteínas. Considerando a interferência vacinal, objetivou-se avaliar a frequência de bovinos reagentes às PNC, analisada pelo sistema I-ELISA 3ABC/EITB, no Laboratório de Viroses de Bovídeos do Instituto Biológico de São Paulo, no período de 2002 a 2012. Dos 34.705 bovinos examinados, observou-se que a proporção de reagentes às PNC aumentou com a idade, evidenciando aumento da frequência de reagentes em animais que receberam maior número de vacinações, indicando interferência da vacinação na resposta às proteínas. Quando comparados antes e após a publicação da IN 50, observa-se diminuição da reatividade, com redução, em 2010, de quase a metade em relação a 2007, e ainda maior quando comparado com o período 2002 a 2006. Isso demonstra a efetividade da purificação da vacina em resposta ao cumprimento da IN 50, embora permaneça alguma sororreatividade em bovinos com múltiplas vacinações. O sistema I-ELISA 3ABC/EITB demonstrou ser uma ótima ferramenta para impedir a movimentação de possíveis portadores do vírus oriundos de rebanhos vacinados, desde que seja considerado todo o contexto sanitário e epidemiológico.

 

Veja o artigo na integra clicando aqui.

 

Autores: Guilherme Henrique Figueiredo Marques, Eliana De Stefano, Cláudia Pestana Ribeiro, Luis Henrique Aguilera Turissi, Ricardo Augusto Dias, José Naranjo, Patrícia Silvia Pozzetti, Jéssica Freire Costa, Edviges Maristela Pituco


Arquivos do Instituto Biológico

Notícias relacionadas

22/02/17 » Ministério define calendário de emergência ambiental contra queimadas
22/02/17 » Rastreamento de frutas, legumes e verduras aumenta em 2016
22/02/17 » Encontro destaca tecnologia para plantio e qualidade das sementes
22/02/17 » Soja Plus foca em módulo ambiental e aumento de participantes
22/02/17 » Biodiversidade e serviços ecossistêmicos serão tema de livro

Comentários

Comente esse conteúdo preenchendo o formulário abaixo e clicando em enviar






- Opiniões expressas nesse ambiente são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representam o posicionamento do Portal Agrolink.

Até o momento não houve nenhum comentário para esse conteúdo.


Colunistas | Eventos  | Cadastre-se  | Agrotempo  | Feiras e Fotos  | Vídeos
Ip: 54.144.217.63 Cod: -1 Est: -1 Cid: -1

 
Fale Conosco
Em que podemos ajudá-lo?