Agronegócio

Trigo: Burocracia e demora no pagamento esvazia leilões do governo

“Aceitar o prêmio do governo é um risco", diz T&F

Não houve nenhum interesse por parte dos agricultores do Paraná nos prêmios oferecidos pelo governo nos leilões de PEPRO e de PEP promovidos pelo governo. De acordo com a Consultoria Trigo & Farinhas, a razão é que as condições de comercialização oferecidas pelo mercado local – assim como em Santa Catarina – são melhores que as oferecidas pelo governo. 

Os problemas apontados para a falta de adesão ao leilão se referem tanto ao preço pago final quanto ao prazo de pagamento e à burocracia para receber os valores. “Aceitar o prêmio do governo é um risco. Há empresas que ainda não receberam os prêmios dos leilões de 2014, ou demoraram mais de ano para receber. O preço é realmente bem maior, mas o custo do dinheiro e das operações envolvidas é muito alto”, aponta o analista sênior da T&F, Luiz Carlos Pacheco. 

Segundo o especialista, “mesmo que se use capital próprio, o que se deixa de ganhar no seu negócio é muita coisa. Além disso, a burocracia é enorme, trabalhosa – e agricultor não gosta de burocracia. As cooperativas e cerealistas, que normalmente se ocupam disto em nome do produtor, não ganham nada para fazer o serviço”.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é ser necessário ser cadastrado
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos