Herbicida

Glifosato não é cancerígeno, conclui Agência europeia

“Baseada em testes realizados com humanos e animais”
Créditos: Domínio Público

Herbicida mais utilizado no mundo, o glifosato não deve ser classificado como substância cancerígena. A conclusão foi anunciada essa semana pela Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA), que chegou ao resultado final “baseada em testes realizados com humanos e animais”.

“O RAC (Comité de Avaliação de Riscos da ECHA) concluiu que a avaliação científica provou que não há um critério para classificar o glifosato como cancerígeno, mutagênico ou tóxico para a reprodução”, afirma um comunicado oficial no site da Agência, que tem sede em Helsinque, Finlândia.

A ECHA sustenta que chegou a estes resultados da avaliação “por consenso”, e adiantou que essa deliberação “deverá levar a Comissão Europeia a relançar o procedimento para a renovação da licença desta substância utilizada como herbicida.”

O parecer foi solicitado pela Comissão Europeia (CE) após a falta de um consenso entre os peritos da entidade e representantes dos países-membro, que em junho de 2016 analisaram a proposta de prorrogar a autorização de uso no território da Comunidade por mais nove anos. Na ocasião foi prorrogada a utilização provisoriamente por 18 meses (até ao final de Dezembro de 2017).

Atenção: Para comentar esse conteúdo é ser necessário ser cadastrado
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos